Lançada no Mar

Estou largada nesse mar
Mesmo assim insisto em nadar para o barco
De tanto nadar, alguns me estendem a mão
Outros sem nem me olhar, já tem reprovação
Depois de quatro ciclos nadando
Estendem-me a mão e puxam, me dão energia e ar
Mas aqueles que estão reprovando
Já se preparam para novamente ao mar me jogar
Não há o que fazer
Pois a reprovação destes é mais forte do que o meu ser
E novamente, jogada ao mar, mas com energia e fôlego
Para nadar intensamente por mais dois ciclos
Até que então sinto dores, cãimbra, fraqueza
Nado lado a lado com o barco, muitos ficam a me olhar
Alguns estendem a mão, mas tenho que recusar
Não sei quanto mais consigo nadar
Decido descansar ao mar e fico a boiar
Sinto o sol a me escaldar, queimar
Sinto-me desidratar, tento tomar forças
Pareço não sair do lugar
Desejo o barco alcançar, mas só o vejo se distanciar
Será que dessa vez vão me salvar?